top of page

Viajante Cervejeiro

Atualizado: 5 de jun. de 2023

O #AbraOstrabalhos bateu um papo com o catarinense Edson Carvalho - Viajante Cervejeiro - figura presente na comunidade cervejeira nacional



Edson é publicitário e começou a trabalhar com cerveja artesanal em 2010. Trabalhou como cervejeiro caseiro e também em bares e eventos cervejeiros. Atualmente, ele percorre o sul do Brasil e parte do continente sul-americano em cima de uma bicicleta.



"Minha primeira grande viagem com o projeto do Viajante Cervejeiro foi em 2014, quando fiz uma viagem de carona por todos os Estados brasileiros conhecendo bares e cervejarias. Essa viagem deu origem ao meu livro: De carona até o próximo bar".

Durante a nossa conversa, Edson Carvalho revelou que, anos antes da primeira aventura como Viajante Cervejeiro, foi para a Europa morar em Portugal. Depois foi morar na Espanha. O publicitário passou um tempo nos Estados Unidos. Nesses lugares ele conheceu algumas cervejarias. Visitou também a Patagônia. Por lá, participou da colheita de lúpulos. Em seguida, Edson quis fazer uma viagem para conhecer um pouquinho mais o Uruguai e a Argentina.


"Foi a partir daí que criei o projeto ‘de bicicleta'. Sempre viajando de maneira inusitada para chamar atenção do projeto e conseguir divulgar mais a cena cervejeira”.

"É possível viajar de maneira simples com a bike que você tiver em mãos. O que importa é a sua disposição e, claro, entender qual tipo de viagem que pretende fazer". (divulgação Instagram)

Para o Viajante Cervejeiro, há pessoas que viajam de várias formas, no caso dele, a bike é a parceira perfeita para leva-lo até o próximo bar. Viajar com baixo custo nunca foi problema para esse amante do chope que saiu pela primeira vez do Brasil em 2015.


Durante a sua estadia na Europa, Edson trabalhou em restaurantes como cafés e bares. Foi nesses estabelecimentos que aprendeu a viajar de forma barata. De volta ao Brasil, começou a trabalhar com cervejas. O cervejeiro criou um blog onde ele mesmo trazia assuntos sobre cervejas e os bares que conheceu durante as viagens, fazendo disso tudo um trabalho.


Daí veio a ideia de fazer alguns lances de viagens, sempre trazendo a questão da cerveja. "A partir daí criei o ‘Viajante Cervejeiro’ e fiz a minha primeira viagem de carona, sem patrocínio e apoio”, lembrou.


“Não tinha dinheiro. Era eu e mais ninguém. Mas eu queria tentar, mesmo porque o dinheiro nunca foi algo que me impediu de fazer as coisas. Fui ficando na casa das pessoas e conhecendo as cervejarias. Daí criei esse projeto com baixo custo e consegui fazer. Fiquei dois anos e meio na estrada e consegui finalizar".


A bicicleta


O publicitário tomou conhecimento de pessoas que estavam percorrendo o Brasil de bicicleta e decidiu entrar para o time dos ciclistas. Para o cervejeiro esse tipo de atividade seria legal, pois a bicicleta traria uma mobilidade. "Seria uma prática de atividade física e traria um equilíbrio", explicou.


"Não sou um atleta de bike. Sou um cara que usa a bike como meio de transporte. A minha bicicleta fica extremamente carregada - Carrego tudo que me dê autonomia - barraca, comida, entre outros itens. É uma forma diferente. Um cara viajando de bicicleta atrás de cerveja".


“Criei esse projeto de viagens para mostrar os lugares onde tem cerveja boa". (divulgação Instagram)

Entrevista


#AbraOsTrabalhos - Qual modelo de bicicleta é o ideal para viajar?


Viajante Cervejeiro - Esse é um tema que gera muitas discussões. Mas é possível viajar de maneira simples com a bike que você tiver em mãos. Se tiver condições de equipa-la, com peças melhores e mais resistentes, ótimo. Se não tiver, tudo certo. O que importa é a sua disposição e, claro, entender qual tipo de viagem que pretende fazer.


#AbraOsTrabalhos - O que você leva na sua bicicleta?


Viajante Cervejeiro - Na minha bike levo tudo: barraca, saco de dormir, isolante térmico, todos os equipamentos necessários para acampar, coisas de cozinha. Por isso que a bike vai super carregada.


#AbraOsTrabalhos - Já que você falou em cozinha: como você faz com a sua alimentação?


Viajante Cervejeiro - Na estrada faço alguns lanches, almoço, e também levo algo para comer na bike. E a noite, se estou acampando, eu cozinho na barraquinha de camping. Carrego comida como macarrão, molho, compro legumes na estrada e cozinho. Não tenho muitos segredo. E se eu estou na casa de alguém, porque fico muito na casa das pessoas que me convidam, acabo comendo na casa delas. Ou se tem um bar, acabo comendo no bar também. Cada dia é um dia diferente.


Barraca do Viajante Cervejeiro montada no Camping Punta Ballena (URU). (divulgação Instagram)

#AbraOsTrabalhos - Para dormir, você dorme em qualquer lugar ou tem sempre um local específico?


Viajante Cervejeiro - As vezes durmo em camping. Se estou na estrada, sempre durmo em posto de gasolina. Procuro sempre um lugar que dê para montar barraca. É mais seguro.


#AbraOsTrabalhos - Como você lida com os curiosos?


Viajante Cervejeiro - A bicicleta carregada com todos os meus equipamentos é um chamariz de pessoas curiosas. É muito interessante quando chego em uma cidade, paro para abrir o mapa no celular para ver onde tem alguma coisa. As pessoas chegam e perguntam de onde estou vindo e para onde eu vou. A bicicleta de viajantes tem esse poder - desperta a curiosidade das pessoas - e isso é legal porque, a partir daí, você se aproxima das pessoas e ali podem acontecer histórias.


#AbraOsTrabalhos - Suas viagens são sempre longas?


Viajante Cervejeiro - Não faço viagens pequenas. A minha família já está acostumada. Quando fiz minha viagem de carona, fiquei 2 anos e meio fora. Eles sabem que eu gosto. Sabem que eu sou assim. Claro que ficam preocupados, mas com a internet fica tudo mais tranquilo. Vivo dando notícias. E não tem muito o que fazer, só aviso. Como eu posto no Instagram tudo sobre as minhas viagens, eles vêem que está tudo bem. Hoje é tranquilo.


#AbraOsTrabalhos - Quais as dificuldades que você já enfrentou na estrada?


Viajante Cervejeiro - No início foi a adaptação física. Em seguida veio as chuvas, a lama, estrada de barro, entre outros problemas.


#AbraOsTrabalhos - Para viajar de bike é preciso se programar? A pessoa tem que juntar uma grana?


Viajante Cervejeiro - Para quem quer viajar de bicicleta e passar um bom tempo fora, o mais importante é se planejar. É preciso se programar. No meu caso, eu transformei isso tudo em meu trabalho. Meu trabalho é viajar. Tenho parceiros, tenho publicidade. Desde 2014 que estou nesse projeto. Estou a alguns anos construindo esse projeto de ir e conhecer as cervejarias de bicicleta, sendo esse o meu trabalho.


#AbraOsTrabalhos - Qual o conselho que você pode dar para quem deseja começar a viajar de bicicleta.


Viajante Cervejeiro - Meu conselho é começar indo para lugares pertos. De início tentar fazer viagens curtas. Saí um dia de bike, para em uma pousada, dorme e volta no outro. É muito legal. Vale muito a pena. Uma coisa que aprendi viajando é que gosto muito de viajar sozinho. Me divirto muito viajando sozinho.



Ushuaia


Continuando a saga do nosso ciclista cervejeiro: no início de novembro de 2022, Edson retomou a viagem de bike de Florianópolis/SC até o Ushuaia (ARG). Recuperado de uma tendinite e já na estrada, o viajante cervejeiro passou pelo Uruguai. O cervejeiro entrou no país pela cidade de Rivera - fronteira de Brasil e Uruguai - divisa com o município de Santana do Livramento. "Os primeiros dias pedalando foram duros, voltar a me acostumar a dormir no fino isolante térmico custou horas de sono".



"Os lugares e as pessoas fazem valer a pena. Tive uma bela experiência em Tacuarembó. Descansei e me diverti bastante. A receptividade uruguaia é verdadeira".

Em seis meses e meio viajando de bicicleta, desde quando saiu de Florianópolis (SC), o viajante teve o cuidado de manter atualizado as redes sociais, principalmente o seu perfil oficial no Instagram - @viajantecervejeiro. Isso tudo para deixar seus seguidores bem informados. Dito isto, em janeiro deste ano (2023) ele já estava na Patagônia. "Cheguei na Patagônia e retomei minhas pedaladas bem ao pé da Cordilheira dos Andes".


"Aquele calor tremendo, com retas intermináveis, deram lugar a um clima mais fresco com muitas curvas e altimetrias. Assim que cheguei em Bariloche, fui conhecer a cervejaria Patagônia".

Até o fechamento desta matéria, Edson Carvalho (@viajantecervejeiro) tinha completado 1 mês no Ushuaia (ARG). Ele chegou no dia 15 de abril. Antes disso, deu uma passadinha pelo país vizinho, o Chile. "Meu primeiro dia de pedal no Chile foi difícil. Muitas subidas super inclinadas, o que fazia sempre eu descer pra empurrar, e chuva sem parar", revelou.


"Foram 6 horas pedalando pra avançar apenas 35km. Achei um lugar pra dormir e armei a barraca debaixo de chuva. Fiquei duas noites ali".

Já no Ushuaia, Edson pretende ficar um bom tempo. O viajante quer conhecer todas as cervejarias do 'fim do mundo' e aproveitar o clima para começar a escrever um novo livro. "Agora, como e quando eu vou voltar, isso não é prioridade. Ou seja, deixa isso pro futuro e bora viver o agora!".


Se você quer saber mais sobre o dia a dia do publicitário e cervejeiro, Edson Carvalho, segue ele nas redes sociais - @viajantecervejeiro. Seja também um apoiador do projeto #ViajanteCervejeiro acessando o site https://www.apoia.se/viajantecervejeiro, e faça parte desta viagem.



Posts recentes

Ver tudo

Siga as nossas redes e fique por dentro de tudo do

mundo cervejeiro!

  • LinkedIn
  • Twitter
  • Instagram
  • YouTube
  • Spotify
bottom of page